fbpx

Storytelling no marketing digital

Índice

O marketing (online e offline) nunca viveu sem storytelling.

A diferença de antigamente para atualmente é que agora sabemos como se constrói uma boa narrativa e conseguimos perceber mais facilmente os elementos de storytelling que são aplicados.

O storytelling no marketing digital, em particular, tem sido responsável por algumas das campanhas e lançamentos mais espectaculares que se tem visto nos últimos tempos!

Porque é o storytelling tão poderoso no marketing digital

Quando contas uma história, ativas várias áreas do teu corpo.

Não são apenas os ouvidos que ficam a ouvir.

Todas as atividades do teu cérebro entram em ação, ao ponto de quase sentires o que se está a passar na história.

Choramos ao ver dramas, damos salto quando vemos thrillers, arrepiamo-nos quando ouvimos alguma história de terror.

Tudo acontece precisamente por isto: porque estamos tão embrenhados na história que as sensações passam para nós.

Aplicar storytelling no marketing digital vai dar sensações à tua marca e ao teu negócio.

Tudo o que é digital não é fisicamente atingível.

Mas as histórias mudam isso a partir do momento em que consegues fazer as pessoas sentir algo.

A McDonald’s tem uma estratégia de storytelling marketing imbatível no que toca ao Happy Meal.

A marca foca na felicidade (happy) de partilhar uma refeição (meal) em família. E, adivinha só (!), a refeição é um hambúrguer.

Ultimamente, a marca tem ido ainda mais longe. Vê só este anúncio.

Impossível não sentir este anúncio!

Impossível ficar indiferente!

É por narrativas como esta que o storytelling no marketing digital é tão poderoso.

O objetivo do storytelling no marketing digital

storytelling marketing

Todas as marcas e negócios têm de vender.

O storytelling no marketing digital tem como objetivo tornar a venda mais simples.

Conseguindo estabelecer conexões e sentimentos reais com os potenciais clientes, as pessoas vão tornar-te fiéis às marcas das quais compraram.

O maior exemplo disso é a Apple, fundada por Steve Jobs.

Jobs nunca quis uma empresa como as outras. Era um desses irreverentes da Califórnia que não acreditava que um fato e gravata davam sucesso.

O sucesso da Apple esteve sempre ligado a dois grandes pilares: irreverência e história.

A última foi desenvolvida ainda mais depois da passagem de Jobs pela Pixar, o estúdio que nos tem vindo a trazer histórias marcantes.

Os clientes da Apple (a grande maioria, pelo menos) é 100% fiel à marca.

Usa só iPhones, tem um Mac (ou quer comprar um no futuro), prefere iPads e Apple Watches também.

O sistema integrado entre todos os dispositivos é uma das grandes vantagens da Apple comparativamente a outras marcas (e uma das principais razões para Marisa a preferir hoje).

Tudo isto tem storytelling associado que, por sua vez, torna a marca fortíssima e lhe confere um branding muito próprio.

A Apple, Dove, Coca-Cola, Vodafone, NOS (não vamos incluir a MEO porque ainda têm um longo caminho a percorrer nesse sentido) e até a Cristina Ferreira (sim, a apresentadora) conseguiram construir super marcas à volta do storytelling.

Exemplos de storytelling e branding

1. Apple

Desde bem cedo que a marca diz “isto é para os piratas. Para aqueles que não aceitam o status quo.”

O lema da empresa era atual para a época em que os primeiros Macs, iPods e iPhones foram lançados, porque embatiam de frente com certas “verdades absolutas” daquele tempo:

  • Só as empresas podem ter computadores (VS qualquer pessoa pode ter um computador e usá-lo de forma simples);
  • Tens de comprar CDs, mesmo que só queiras ouvir 2 músicas (VS podes comprar músicas individualmente no iTunes);
  • Música no discman, chamadas num telemóvel (VS podes ouvir músicas, enviar mensagens e atender chamadas num único dispositivo).

2. Dove

A Dove desconstruiu totalmente a ideia de ser bonito.

O que vai contra todos os padrões de beleza estabelecidos pelas grandes empresas de cosmética.

A mensagem da Dove é todas as pessoas são bonitas à sua maneira, independentemente da:

  • Cor
  • Raça
  • Peso
  • Com ou sem sardas
  • Cabelo rapado ou comprido
  • Etc.

E todos os anúncios são focados na verdadeira beleza: a interior.


Queres receber super emails todas as semanas e acesso às nossas lives gratuitas? Deixa os teus dados nas caixinhas abaixo.

.

3. Coca-Cola

Foi provavelmente a primeira marca que disse “não importa a coca-cola em si, importam as pessoas.”

E, por isso, todos os anúncios são centrados na narrativa e não no produto.

Não fosse o slogan da marca “Taste the feeling” (prova as sensações), beber uma coca-cola atualmente é sentir uma satisfação tremenda!

Esteja chuva ou sol, calor ou mais fresco, uma Coca-cola sabe muito bem!

Por vezes, só de ver um anúncio ou alguém beber uma Coca-cola, já “provamos a sensação” de também beber uma e o desejo cresce.

Tudo isto é storytelling, tudo isto é branding.

4. Vodafone

É incrível como a Vodafone se aproximou das pessoas de uma forma tão simplista: pegou num casal conhecido (mas não tanto) e recriou cenários 100% realistas para anúncios.

É quase impossível não rir e quase impossível não termos a sensação de que este tipo de situações acontece connosco.

A Ana Guiomar e o Diogo Valssassina são um casal que se tornou icónico para a grande maioria do público depois destes anúncios.

Eram um casal moderadamente conhecido, que explodiu em popularidade.

E também a Vodafone beneficiou disso, tornando-se um ícone do melhor tipo de storytelling no marketing digital e offline: aquele que retrata as nossas lutas pessoais.

5. Cristina Ferreira

A Cristina Ferreira é o tipo de ícone que, ou se adora, ou se detesta.

Uns detestam a voz estridente, outros adoram a personalidade e perserverança dela.

A Cristina era a mulher pacata que qualquer mulher é.

Era feirante e, à partida, não teria nada de especial que dissesse que se iria tornar um ícone.

E, no entanto, é hoje das personalidades mais conhecidas de Portugal.

O percurso foi atribulado, custoso, mas conseguiu. E, queira-se ou não, é uma fonte de inspiração para outras mulheres.

A Cristina Ferreira é a Persona Transformada, isto é, ela é a mulher simples que venceu na vida e que hoje tem negócios que ajudam outras mulheres a sentirem-se um pouco mais perto daquilo que ela é hoje (seja através da moda, perfumes, revistas, etc.).

Criar boas histórias no marketing digital

a tua mensagem no marketing digital

O storytelling no marketing digital, como pudeste ver nos 5 exemplos anteriores, não é só aplicado a um determinado tipo de negócios.

Prestadores de serviços são os que mais conseguem beneficiar de bom storytelling!

A Vodafone é, antes de mais nada, um prestador de serviços.

A Apple, apesar dos produtos, tem hoje nos serviços a maior margem de lucro.

E tu, prestador de serviços, deves também começar a aplicar storytelling no marketing digital do teu negócio.

O que muitas vezes acontece quando não consegues angariar clientes tão facilmente é que as pessoas não entendem o que dizes.

Estamos tão dentro da nossa esfera de conhecimento que não conseguimos que as nossas mensagens sejam claras para os nossos potenciais clientes.

Estamos tão sedentos de demonstrar conhecimento com jargão que a maioria das pessoas não conhece, que nem nos fazemos entender.

Mas também há o outro lado da moeda: o da pessoa que até entende o que dizes e não gosta que estejas sempre a explicar conceitos.

Então, como consegues garantir que qualquer pessoa vai entender o que dizes, independentemente de estar num nível avançado ou básico?

Tens duas opções:

  1. Pesquisa extensiva de cada vez que tens uma reunião, para tentar perceber o tipo de cliente que tens à frente. Não é 100% viável e pode demorar algumas horas, mas é uma abordagem possível;
  2. Construir uma boa narrativa, um modelo simplificado de mostrar como trabalhas e com que objetivo. É algo que demora algum tempo a ser encontrado, mas que se torna 100% viável depois de aplicado.

Desde crianças que gostamos de ouvir histórias. E entendemos as histórias.

No negócio, a construção de boas histórias para marketing digital são consequência das sequências.

Qual seria a melhor abordagem entre estas duas, uma abordagem que qualquer pessoa pudesse entender?

  • VERSÃO 1: “O nosso método de trabalho é assente em KPIs, que podem ser definidos pelas conversões ou por CPC.”
  • VERSÃO 2: “O nosso método de trabalho passa por algumas fases que nos vão ajudar a atingir as metas desejadas pela empresa, sejam essas metas baseadas no número de pessoas que compra o produto ou na quantidade de pessoas que vamos ter diariamente no website.”

A versão 2 é mais visível, mais palpável, e não obriga a um grande gasto de energia para se entender a mensagem.

Quanto mais simples a mensagem for de se entender, mais facilmente a pessoa vai comprar.

Conclusão

É claro que criar histórias para aplicar no storytelling não é uma tarefa que fica feita de um dia par ao outro.

Storytelling marketing é um processo.

A própria construção do storytelling para marketing digital torna-se uma história, uma sequência.

Mas não há dúvidas de que o storytelling no marketing digital é o que diferencia os bons dos que mais têm sucesso.

De que torna algo bem mais simples de vender, que é um dos grandes objetivos desta estratégia de marketing.

Hoje é a altura certa para começar a construir a tua narrativa e ficares 10 passos à frente de qualquer um dos teus concorrentes.

Inscreve-te na Jornada da Clareza, onde, ao longo de 3 dias, te vamos explicar como simplificar a tua mensagem.

Deixe um comentário