Storytelling e marketing de conteúdo

“Storytelling não serve para tudo.”

1001 perguntas sobre se o storytelling marketing realmente é algo que serve todo e qualquer propósito – seja ele o de vender um serviço ou um produto.

Nestes casos, é relevante perguntar: como se explica a alguém que não entende nada do assunto que um cardiologista é diferente de um podologista?

Ou que o carpinteiro não sabe, necessariamente, ser pintor?

Storytelling é das ferramentas mais poderosas para trazermos as pessoas para a nossa narrativa (quase literalmente).

Usando conceitos que já conhecem, metáforas que entendam facilmente, e/ou exemplos concretos.

Outra questão que surge, em particular sobre storytelling marketing, tem que ver com a sua aplicação em qualquer peça de marketing de conteúdo.

Será que tem lugar ou não?

Será que tudo e mais alguma coisa pode ser transformado numa história?

Storytelling VS Marketing de conteúdo

São dois conceitos diferentes. Podemos já começar por aí.

Da mesma forma que marketing de conteúdo não é copywriting (content writing), também não é storytelling.

Marketing de conteúdo é o melhor tipo de marketing para educar a audiência.

Seja através de artigos de blog (como este), podcasts, vídeos, redes sociais, entre outros.

É o tipo de marketing que funciona muito bem a médio-longo prazo, pois não passa de moda. É dos mais rentáveis.

Dentro do marketing de conteúdo, há algumas peças que chamam mais à atenção e outras que não.

Há umas que geram mais conexão e outras menos.

É nesta parte que entra a história.

Usar storytelling em marketing de conteúdo vai fazer com que o conteúdo propriamente dito consiga ser até 10 vezes mais educativo e elucidativo.

Marketing de conteúdo com e sem histórias

Uma vez que marketing de conteúdo é educativo, pode tornar-se aborrecido.

Alguns artigos, vídeos ou podcasts podem facilmente relembrar-nos das aulas de escola, ou os artigos sobre os quais depois tínhamos de fazer trabalhos em PowerPoint para apresentar.

Apresentas os factos, os resultados, falas do que funcionou contigo ou com o teu cliente.

A informação é muito relevante, mas não vai ser lembrada pelo leitor ou ouvinte dali a 1 ou 2 horas.

Quando procuramos aprendizagem, fazemo-lo por necessidade ou curiosidade.

Para melhorar as nossas skills (habilidades), desempenho, ou resultados.

Mas, se só consumirmos conteúdo sem fazer nada com ele, ele esvai-se.

(que é o que acontece na grande maioria das vezes)

Marketing de conteúdo, por si só, educa, mas não apela à ação nem gera conexão.

Adicionar contexto e um pouco de história

É para ligar a parte educativa à ação e conexão que o storytelling entra.

Na prática, introduzir storytelling no marketing de conteúdo vai trazer:

  • Contexto: a razão pela qual estás a escrever/criar aquele conteúdo;
  • O teu conflito: por que dificuldade passaste e qual foi a causa;
  • A vitória: como a ultrapassaste através daquele truque, método, estratégia (etc.).

Estes são os 3 componentes mínimos e básicos de uma história e vão ser os elementos que vão levar qualquer pessoa que leia o teu artigo de blog a lembrar-se dele.

Se as pessoas procuram algo mais técnico, vão clicar no link da Wikipédia.

Aquilo que procuram quando escolhem clicar no teu link é algo mais.

Relacionamento, conexão, algo que lhes dê direção para o problema e contexto em que essas mesmas pessoas estão inseridas.

Conteúdo com história

clareza no storytelling

Escrever um artigo de blog como este sem ter começado da forma como começamos ia fazer com que ele fosse extremamente aborrecido.

Aliás, o artigo seria algo como isto:

  • É possível usar história no marketing de conteúdo? Sim.
  • Vai aumentar as minhas chances de ele ser lido? Sim.
  • Porquê? Porque gera conexão com a pessoa e a incentiva à ação, porque essa pessoa quer atingir a mesma vitória que tu.

Seria bem direto ao ponto, mas daqui a meia hora já te terias esquecido do que eu disse.

(e não ia ser nada bom para o SEO, porque ia ser um artigo incrivelmente curto)

Foi por isso que optamos por começar com uma citação.

Trouxemos contexto – sobre as 1001 perguntas que fazem sobre storytelling ser realmente relevante em várias frentes e inclusive trazendo um exemplo prático de explicação.

Trouxemos o conflito – o facto de marketing de conteúdo e história não serem a mesma coisa e de estares potencialmente a criar conteúdo que é facilmente esquecido.

E demos-te a solução – usa histórias para fazer com que o teu conteúdo seja lembrado e gere uma ação.

A nossa chamada para a ação (CTA) com este artigo é simples: storytelling vai elevar o teu marketing de conteído.

Logo, cria conteúdo mais humano. Traz histórias ao teu conteúdo.

Conclusão

Histórias são uma forma muito simples e prática de ligar pontos e fazer com que não nos esqueçamos do que lemos e aprendemos.

Podes não te lembrar do que fizeste na terça-feira da semana passada, mas ainda te lembras da história do Capuchinho Vermelho ou dos 3 Porquinhos.

Ou do episódio da série que viste no fim-de-semana.

Não é por acaso.

Se as pessoas se lembram melhor de histórias, porque não ensiná-las com histórias?

storytelling e marketing de conteúdo diferenças

Queres receber as nossas newsletters semanais? Preenche o formulário abaixo. Podes cancelar a qualquer momento.

.

Deixe um comentário