Marketing de Conteúdo para Redes Sociais

É seguro dizer que o Marketing de Conteúdo está na moda?

Não, acreditamos que não.

Porque Marketing de Conteúdo NUNCA saiu de moda e nunca deixou de ser importante.

Ainda há algumas pessoas que duvidam que o Marketing de Conteúdo possa ser aplicado a redes sociais – e não só a Blogs, como antigamente.

Mas Marketing de Conteúdo para Redes Sociais é o que vende actualmente.

E vende bem!

Mas vamos por partes (e com calma) para não confundir tudo.

Marketing de Conteúdo: O que é e como aplicar

Se pesquisares no Google pela definição de Marketing de Conteúdo, tens resultados suficientes para ler durante vários anos!

Mas, se era isso que querias saber, não estarias a ler este artigo 😉

Então vamos dar-te a nossa versão da definição de Marketing de Conteúdo, que é a combinação de várias outras e da nossa experiência também.

Marketing de Conteúdo é o método através do qual educas a tua audiência para que se tornem compradores em vez de meros seguidores.

Esta é a forma mais simplista como vemos o marketing de conteúdo para redes sociais (e mesmo aplicado a este blog).

De nada vale ter 200 publicações ou 200 artigos de blog se a pessoa que consome esses conteúdos (lê, vê ou ouve) não sofre uma pequena transformação.

A pequena transformação dá-se quando a pessoa se apercebe que aquela peça de conteúdo realmente mudou a sua perspectiva sobre um determinado problema ou frustração.

Por exemplo, uma das razões por que estás a ler este artigo é porque potencialmente tens uma das seguintes dúvidas:

  • Queres saber o que é marketing de conteúdo, mas tudo parece vago;
  • Não sabes como aplicar marketing de conteúdo;
  • Pensas que marketing de conteúdo é só para blog e não consegues transportar isso para as redes sociais.

A principal razão pela qual as redes sociais não funcionam para algumas empresas e negócios, a razão pela qual não têm mais clientes, é precisamente a falta de conteúdo transformador.

À data de publicação deste artigo, temos já outros que mencionam a importância de ter um plano de conteúdos para as redes sociais.

Podes rever esses artigos clicando nos links abaixo:

Abre os links numa outra aba, mas NÃO os leias antes de terminar de ler este artigo.

Então, como deves aplicar uma estratégia de marketing que tenha conteúdo relevante ao ponto de gerar uma pequena transformação em alguém?

Há algumas dicas a seguir, mas conforma-te com o facto de que nem todas vão funcionar se não estiveres disposto a investir tempo ou dinheiro (contratando um assistente virtual que o faça por ti ou te ajude, por exemplo):

  • Dica 1: Escolhe as tuas Redes Sociais

Não, não é para estar presente em TODAS!

Tu não tens tempo, nem dinheiro – e, mesmo que tenhas, tem cuidado com isso de estar em todo o lado.

O teu cliente ideal não está em todo o lado, por isso de nada vale deitar dinheiro fora ao trabalhar uma rede social em que ele não está.

  • Dica 2: Pesquisa pelos concorrentes e vê o que estão a fazer

Não precisas de pôr “gosto” ou seguir essas pessoas, mas todos os dias visita os perfis nas redes sociais para tentar perceber o tipo de conteúdos que fazem.

Vê o que fazem mais. São vídeos? Carrosséis? Stories (no caso do Instagram)?

E quanto a seguidores, o que comentam mais? Que tipo de publicações? Os concorrentes respondem a comentários?

Dica extra: se o concorrente não responde a comentários, responde tu e ganha autoridade e valor.

Depois, aproveita todo o conteúdo com que os seguidores deles mais interagem e modela esse conteúdo para ti.

Lembra-te: modelar não é o mesmo que copiar.

Modelar significa pegar no tema do conteúdo (exemplo: marketing de conteúdo para redes sociais) e explicá-lo à tua maneira – tal como estamos a fazer aqui neste momento.

Na internet, não se inventa conteúdo (ou raramente se inventa).

O que acontece é uma modelação – uma nova forma de explicar.

Porque, tal como na escola não nos dávamos bem com a forma de ensinar/explicar de todos os professores, nem toda a gente vai gostar/se identificar com a forma de explicar do teu concorrente.

E tu podes ter conteúdo bem mais rico, bem mais simples, que cative seguidores que se identificam contigo.

As pessoas identificam-se com pessoas. E compram de pessoas.

Se não aprenderes mais nada com este artigo, grava pelo menos a frase acima. Vamos ate repetir:

As pessoas identificam-se com pessoas. E compram de pessoas.

  • Dica 3: Faz conteúdo que seja, também ele, modelável

Um bom conteúdo, é conteúdo que podes usar em vários formatos:

  • Publicação simples (imagem e/ou texto);
  • Vídeo;
  • Carrossel;
  • Stories;
  • Artigo de Blog;
  • Podcast;
  • Potencialmente outros.

Nem sempre as pessoas vêem vídeos (por exemplo), logo, é preciso criar outras formas de os impactar (isto é, outras formas de chegar até elas e de elas interagirem).

É, até, conteúdo que podes dividir em vários pequenos vídeos para formar ainda mais conteúdo.

Quando estiveres a pensar no seu plano de marketing de conteúdo, pensa na forma como o podes re-aproveitar.

As 3 dicas acima dizem COMO APLICAR a estratégia de Marketing de Conteúdo para que possas gerar uma pequena transformação.

Agora vamos ver a aplicação desta estratégia das redes sociais Facebook e Instagram.

Marketing de Conteúdo para Redes Sociais

marketing de conteudo para redes sociais

Porquê Facebook e Instagram?

Porque são as redes sociais com que mais trabalhamos e as que mais conhecemos.

Se falássemos de estratégias ou outras coisas que não aplicamos para nós, este artigo seria apenas mais um – e não geraria tanta transformação.

Aproveitamos agora para inclusive partilhar os nossos links para que nos possas seguir no Facebook e no Instagram (basta clicar em cima dos nomes).

Partilhamos lá conteúdo com muita regularidade.

Facebook

É muito importante começar por dizer isto: o que funciona hoje pode não funcionar amanhã.

O Marketing muda a toda a hora e nem tudo o que vamos abordar aqui pode funcionar para ti e para o teu negócio.

Aquilo de que vamos falar é da nossa experiência e da experiência de clientes e colegas que tiveram sucesso.

O primeiro passo para aplicar uma estratégia de marketing de conteúdo nesta rede social é, antes de mais, compreender a rede social.

O que é o Facebook? Quais os recursos mais utilizados? O que fazem os utilizadores no Facebook?

De uma forma geral, o Facebook é uma rede de grupos (não no sentido literal, mas já lá vamos).

Está lá o nosso grupo de família, o grupo de amigos, os grupos dos nossos interesses, etc.

É uma rede social em que comunicamos com pessoas mais próximas de nós (daí dizermos que é uma rede de grupos).

Que recursos mais se utilizam hoje em dia no Facebook?

  • Grupos fechados (aos quais podemos chamar de Comunidades);
  • Grupos de eventos (mais abertos, mas igualmente exclusivos);
  • Páginas de eventos (onde temos actualizações mais constantes);
  • Conversas em grupo.

Isso não quer dizer que apenas utilizes estes recursos ou que uses todos, mas são os mais usados actualmente (tendo em conta que este artigo foi escrito em Outubro de 2020).

Ter pessoas a gostar da tua página de Facebook não significa, portanto, que essa pessoa já esteja pronta para comprar.

Da mesma forma que nada vale ter 5000 “gostos” se não estás a gastar dinheiro com a rede social.

Isso mesmo, gastar dinheiro. Já lá vamos também.

Se o público do Facebook é um público que dá mais valor a um grupo exclusivo ou semi-exclusivo, faz todo o sentido ter uma estratégia de marketing de conteúdo que inclua acessos e conteúdos especiais a um grupo fechado, por exemplo.

Nesses casos, nas tuas publicações deves entregar conteúdo de valor MAS indicar sempre que é no grupo fechado que interages mais e onde inclusive respondes a determinadas perguntas.

Fazer isto, não só justifica o facto de não publicares todos os dias (se for o seu caso), como “aguça o apetite” para que as pessoas se juntem ao teu grupo.

E essas pessoas são as mais próximas de ti e aquelas que interagem mais contigo, com a tua marca e o teu produto ou serviço.

Instagram

No Instagram, os conteúdos são um pouco diferentes.

O Instagram é uma rede social de maior interação e alcance orgânico pelas 1001 funcionalidades que tem:

  • Feed do perfil – onde tem as suas publicações;
  • Stories – trechos de 15seg em cada vídeo que ficam disponíveis apenas durante 24h;
  • IGTV – vídeos com duração entre 1-60 minutos. Há uma aba separada no perfil;
  • Reels – vídeos de 15 ou 30 segundos que pode montar com outros mini-vídeos e personalizar a seu gosto. Há uma aba separada no perfli;

Atualmente (e embora nem todos acreditem nisso, acreditamos ser a versão mais próxima da verdade), é através do feed e reels (ou seja, de publicações no perfil) que vais atrair novas pessoas, mas vai ser nos stories que vai conseguir fidelizar e ganhar seguidores.

Porque se costuma dizer isto?

Porque no feed e reels podes atrair pessoas que procuram pelo teu produto ou serviço, mas é nos stories que essas pessoas te conhecem – a ti, à pessoa por detrás de tudo.

E, se te recordas:

As pessoas identificam-se com pessoas. E compram de pessoas.

Já lá vai o tempo em que se comprava exclusivamente por preço.

Hoje compra-se o produto/serviço e a pessoa por detrás de tudo.

E o Instagram é a rede social da relação – a rede social que torna desconhecidos em pessoas conhecidas, e depois em clientes.

Quando estás a planear o teu marketing de conteúdo para esta rede social, deves ter em conta as várias funcionalidades e dedicar um determinado dia a cada uma.

Isto sem nunca deixar de publicar stories.

Há um número certo de stories por dia?

Depende do seu nicho e público-alvo.

Mas, regra geral, o alcance e interacção são maiores quando publica mais de 10.

O que não pode faltar no marketing para redes sociais

Planeamento e Tráfego Pago.

Ou seja:

  • Saber o que postar, quando postar e como postar (criar uma linha editorial que ajude a atingir o objectivo);
  • Gastar dinheiro com a rede social (tal como tínhamos abordado lá em cima).

O tráfego pago, em particular, deve ser feito porque o conteúdo orgânico (não pago) tem um alcance infinitamente mais baixo (até 10% dos teus seguidores) que o alcance do tráfego pago.

Usando matemática básica:

Uma página tem 5000 seguidores. Se os conteúdos chegarem a 10% das pessoas, vai chegar a apenas 500. E só àqueles que mais interagem (que muitas vezes são amigos e familiares que nem compram).

Então e os outros 4500?

Esses só os vais atingir fazendo anúncios online – o tal tráfego pago.

E é nesta parte que podes pensar que não resulta, porque investiste dinheiro em anúncios através do botão “promover”, mas não surgiram vendas.

Isso tem tudo uma razão lógica que vamos tentar explicar por miúdos:

  • Botão Promover: usa segmentação básica (ou seja, pode anunciar para determinadas idades e interesses); gasta todo o orçamento num único anúncio;
  • Gestor de Anúncios do Facebook: usa segmentação concreta (ou seja, anuncia directamente para o seu público-alvo); gere o orçamento para vários públicos; gere o orçamento para vários anúncios ao mesmo tempo.

Ou seja, é como perguntar a alguém: “Preferes gastar 100€ num único casaco, ou queres usar 100€ para comprar 3 casacos?”

E a resposta óbvia (esquecendo marcas e afins) é: gastar 100€ em 3 casacos.

Conclusão

Estes são, então, os passos a seguir para uma boa estratégia de Marketing de Conteúdo para Redes Sociais:

  1. Escolher as Redes Sociais com base no público-alvo;
  2. Desenhar um Plano de Conteúdos – e segui-lo;
  3. Distribuir esses conteúdos organicamente e com tráfego pago.

Há mais passos? Sem dúvida que sim!

Mas começa-se com o base e depois vai-se subindo o resto dos degraus 🙂


Queres receber as nossas newsletters semanais? Preenche o formulário abaixo. Podes cancelar a qualquer momento.

.

2 Comentários

  • Dora Santos Marques
    Posted 02/12/2021 08:10 0Likes

    Eu pus o FB de lado há uns 5 anos mas agora tenho de começar a dar-lhe atenção, sendo AV.

    • Bizy
      Posted 02/12/2021 15:00 0Likes

      Se não é uma rede social com a qual te identificas e não é onde o teu público-alvo está, podes deixá-la de parte 🙂 devemos sempre focar onde está o nosso público-alvo. No nosso caso, ele está lá e não podemos deixar de parte.

Deixe um comentário